SHIVA, O DESTRUIDOR DA IGNORÂNCIA
Divindade criadora do yoga

 
Shiva (do sânscrito): No Hinduísmo, O Divino é representado em três aspectos fenomênicos em sua manifestação vital: Brahma (O Criador), Vishnu (O Preservador) e Shiva (O Transformador).
Normalmente Ele é traduzido como o Destruidor Divino, pois é por sua ação que ocorre a transformação dos elementos, energias e consciências. Aquilo que é criado e preservado, um dia morrerá, para poder renascer e seguir o fluxo evolutivo. No entanto, nada no universo morre realmente, só há mudança de plano e padrão vibracional. A energia não nasce e nem morre, só é transformada.


Shiva é o representante divino dessa transformação inexorável de todas as coisas. Ele também é conhecido como "NATARAJA", o Divino Dançarino. Ele dança na luz e faz a roda da existência mover-se no infinito. Por isso, Ele sempre é associado com eventos de transmutação interdimensional e consciencial.
O mantra dessa ação transformadora de Shiva é "OM NAMAH SHIVAYA".
Tridente de Shiva: Dentro do contexto hinduísta, as energias se manifestam no plano fenomênico da existência em três aspectos vibracionais: Rajas (atividade), Tamas (inércia) e Sattva (equilíbrio ou pureza).


O tridente que Shiva carrega, expressa essas três manifestações vitais (cada uma das pontas do tridente é uma das expressões energéticas). Sendo o Senhor das energias, nada mais natural do que Ele "portar nas mãos" o controle de suas manifestações.
Num contexto ainda mais esotérico, as três pontas do tridente também representariam os três nádis (condutos sutis – Ida, Píngala e Sushumna) que correm ao longo da coluna, e que são muito importantes na circulação da energia pelo corpo energético e nos processos de ascensão da Kundalini.


Inclusive, é muito comum vermos imagens de Shiva com diversas cobras najas penduradas pelo seu corpo. Elas representam a sabedoria, da qual Ele está repleto. Também representam a expansão da consciência (consciência cósmica, samadhi) nos processos ascensionais da Kundalini (Shakti).
Aqui por e-mail fica difícil explicar esses mecanismos bioenergéticos tão conhecidos dos iogues de todos os tempos e linhas.


Obs.: Alguns fundamentalistas cristãos associaram o tridente do Shiva e as cobras najas (que são apenas simbolismo iogue) à figura do diabo. E aí nem precisa dizer da confusão que eles fazem com isso, oriunda diretamente da falta de informação (ou, em alguns casos, de má intenção mesmo).

  • Mahadeva: Maha: Grande, Vasto, Imenso – Deva: Divindade, Ser Celestial.
    Logo, Mahadeva significa "Grande Divindade", "Grande Ser Celestial", "Grande Deus".
  • O olho aberto na testa de Shiva representa o "olho espiritual", que tudo vê.
  • OM: O Verbo Divino (Shabda ou Pranava), A Vibração do Todo permeando a tudo, o mantra que na tradição hinduísta é associado à vibração divina da palavra criadora do Supremo.
  • Om Namah Shivaya: é um dos mantras evocativos de Shiva. É um dos mantras mais populares da Índia.

(BORGES W. 2005)

 

Shiva é deus dos yogis – yogis significa destruir algo para em seu lugar construir algo novo. Ele é um dos deuses supremos no hinduísmo e considerado criador do Yoga, por causa de seu enorme poder em transformar sentimentos e situações ruins em boas.

Devido a sua forte energia que emana positividade e tranquilidade, as entidades negativas, os seres que não são iluminados, ao entrar em contato com Shiva, passam a receber sua luz e tornarem-se divindades generosas, assim como ele.

Shiva tem como companheira a deusa Shakti, conhecida também como Durga, Kali ou Parvati. É retratado como figura paterna dos semideuses Khartikeya e Ganesha. Carrega nas mãos um tambor e um tridente, e, no pescoço, possui uma serpente. Vestido em pele de veado e seus cabelos são adornados com a lua. Em seus fios deságuam as águas do Rio Ganges, e em sua nascente estão os pés de Vishnu no plano espiritual.

Shiva é adorado principalmente na Índia, e seus devotos, assim como a entidade, pregam e acreditam numa vida repleta de pureza e realizações.


(SILVA M. B. 2000)

SHIVA, O TODO PODEROSO

Shiva (do sânscrito): No Hinduísmo, O Divino é representado em três aspectos fenomênicos em sua manifestação vital: Brahma (O Criador), Vishnu (O Preservador) e Shiva (O Transformador).
Normalmente Ele é traduzido como o Destruidor Divino, pois é por sua ação que ocorre a transformação dos elementos, energias e consciências. Aquilo que é criado e preservado, um dia morrerá, para poder renascer e seguir o fluxo evolutivo. No entanto, nada no universo morre realmente, só há mudança de plano e padrão vibracional. A energia não nasce e nem morre, só é transformada.


Shiva é o representante divino dessa transformação inexorável de todas as coisas. Ele também é conhecido como "NATARAJA", o Divino Dançarino. Ele dança na luz e faz a roda da existência mover-se no infinito. Por isso, Ele sempre é associado com eventos de transmutação interdimensional e consciencial.
O mantra dessa ação transformadora de Shiva é "OM NAMAH SHIVAYA".
Tridente de Shiva: Dentro do contexto hinduísta, as energias se manifestam no plano fenomênico da existência em três aspectos vibracionais: Rajas (atividade), Tamas (inércia) e Sattva (equilíbrio ou pureza).


O tridente que Shiva carrega, expressa essas três manifestações vitais (cada uma das pontas do tridente é uma das expressões energéticas). Sendo o Senhor das energias, nada mais natural do que Ele "portar nas mãos" o controle de suas manifestações.
Num contexto ainda mais esotérico, as três pontas do tridente também representariam os três nádis (condutos sutis – Ida, Píngala e Sushumna) que correm ao longo da coluna, e que são muito importantes na circulação da energia pelo corpo energético e nos processos de ascensão da Kundalini.


Inclusive, é muito comum vermos imagens de Shiva com diversas cobras najas penduradas pelo seu corpo. Elas representam a sabedoria, da qual Ele está repleto. Também representam a expansão da consciência (consciência cósmica, samadhi) nos processos ascensionais da Kundalini (Shakti).
Aqui por e-mail fica difícil explicar esses mecanismos bioenergéticos tão conhecidos dos iogues de todos os tempos e linhas.


Obs.: Alguns fundamentalistas cristãos associaram o tridente do Shiva e as cobras najas (que são apenas simbolismo iogue) à figura do diabo. E aí nem precisa dizer da confusão que eles fazem com isso, oriunda diretamente da falta de informação (ou, em alguns casos, de má intenção mesmo).

  • Mahadeva: Maha: Grande, Vasto, Imenso – Deva: Divindade, Ser Celestial.
    Logo, Mahadeva significa "Grande Divindade", "Grande Ser Celestial", "Grande Deus".
  • O olho aberto na testa de Shiva representa o "olho espiritual", que tudo vê.
  • OM: O Verbo Divino (Shabda ou Pranava), A Vibração do Todo permeando a tudo, o mantra que na tradição hinduísta é associado à vibração divina da palavra criadora do Supremo.
  • Om Namah Shivaya: é um dos mantras evocativos de Shiva. É um dos mantras mais populares da Índia.

(BORGES W. 2005)

 

Shiva é deus dos yogis – yogis significa destruir algo para em seu lugar construir algo novo. Ele é um dos deuses supremos no hinduísmo e considerado criador do Yoga, por causa de seu enorme poder em transformar sentimentos e situações ruins em boas.

Devido a sua forte energia que emana positividade e tranquilidade, as entidades negativas, os seres que não são iluminados, ao entrar em contato com Shiva, passam a receber sua luz e tornarem-se divindades generosas, assim como ele.

Shiva tem como companheira a deusa Shakti, conhecida também como Durga, Kali ou Parvati. É retratado como figura paterna dos semideuses Khartikeya e Ganesha. Carrega nas mãos um tambor e um tridente, e, no pescoço, possui uma serpente. Vestido em pele de veado e seus cabelos são adornados com a lua. Em seus fios deságuam as águas do Rio Ganges, e em sua nascente estão os pés de Vishnu no plano espiritual.

Shiva é adorado principalmente na Índia, e seus devotos, assim como a entidade, pregam e acreditam numa vida repleta de pureza e realizações.


(SILVA M. B. 2000)